- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

O brocado de ouro Kinran (Parte 1)

Nosso próximo assunto será o brocado kinran (金襴), tecido com fios de ouro. Estudaremos as características desta técnica de tecelagem, e alguns motivos kireji dela representativos.

 

Kinran

O termo kinran refere-se à técnica de tecelagem que emprega fios de ouro (ou folheados a ouro) para criar desenhos e padrões decorativos.  Tipicamente, o plano de fundo do tecido é feito com ligamento em sarja ou cetim, sobre o qual formam-se figuras em tafetá simples (para mais informações sobre esses termos, ver nosso artigo anterior, Damasco (donsu) e damasco Dôgen (Dôgen-donsu)).

Sua origem remonta à antiga China; dentre os vários métodos chineses de tecelagem, o uso de fios de ouro chamava-se “ouro tecido”, orikin 織金 (na pronúncia chinesa atual, zhījīn).  Acredita-se que sua introdução no Japão deu-se através dos robes de monges budistas; tais vestimentas, chamadas kesa 袈裟, viram bastante uso do ouro tecido.  A palavra ran襴 originalmente significava “robe”, e um robe budista com ouro tecido era chamado “robe dourado”, 金襴衣 kinran’e.  É provável que a palavra tenha sido abreviada para kinran e, em japonês, assumido o sentido do tecido em si, ao invés do robe.  A técnica de produção transmitiu-se ao Japão, onde depois prosperou na zona têxtil de Nishijin 西陣, em Kyōto.

O esplendor do kinran é tamanho que, mesmo dentre os kireji de renome, este tipo de tecido goza do mais alto prestígio.  Graças a isto, ele é amplamente usado para fins diversos; além dos robes budistas, também se faz com kinran vestimentas de teatro Nô, molduras (hyōsō 表装) para obras de arte, bolsas (shifuku 仕服) para potes de chá  chaire, etc.

 

Myôshinji-Kinran

O nome deste padrão refere-se ao templo Myôshin-ji, em Kyôto, onde diz-que era usado decorativamente nos umbrais de entrada (o templo Myôshin-ji é a sede da Myôshinji-ha, sub-seita do budismo Rinzai Zen; o nome budista do templo é Shôbô-zan Myôshin-ji).  O desenho do Myôshinji-kinran é floral, com camélias tecidas em tamanho deveras considerável; as figuras são dispostas em camadas, e a cada camada alterna-se a direção das folhas e flores.

Julho de 2017

Veja também

  • A tecelagem Môru

    Nosso tema de hoje será o tecido chamado Môru. Acredita-se que a palavra deriva do português Mogol, referindo-se ao império Mughal da Índia, ao qual se atribui a técnica. Os fios do Môru são compostos ...
  • O tecido Shôha

    Hoje apresentaremos a variedade de tecido denominada Shôha 紹巴. A técnica do Shôha é um exemplo de tecelagem figurativa, isto é, formando padrões. Sua característica distintiva é o uso de linhas de trançado forte em ambos os sentidos do ...
  • O brocado Nishiki (Parte 2)

    Na continuação de nossa introdução aos tecidos Nishiki, apresentaremos mais três padrões kireji de renome…
  • O brocado Nishiki (Parte 1)

    Nishiki 錦 é um termo geral para brocados compostos por fios coloridos e contrastantes, em duas ou mais cores distintas, com as quais se traçam padrões figurativos. Se as figuras são tecidas com o fio da ...
  • O brocado em listras Kantô (Parte 2)

    Rikyû Kantô 利休間道 Este tecido é feito seguindo uma padronagem de pequenas formas geométricas, em branco sobre azul-marinho, repetidas quase como um xadrez. As formas lembram uma revoada de tarambolas (japonês chidori 千鳥), donde o nome japonês deste ...