- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

WA NO KOKORO – O espírito japonês: Louvor ao Monte Fuji

WA NO KOKORO” – O ESPÍRITO JAPONÊS

Neste ano de 2019, publicaremos a série denominada Wa no kokoro – O espírito japonês. Ocupará o lugar da coluna A cultura japonesa do mottainai, dos dois anos anteriores.

Apresentaremos temas como: os japoneses e seu ponto de vista da natureza, seu senso estético, sua maneira de viver, entre outros. Esta série consulta as seguintes obras, que serão referência bibliográfica: Yume Project (Projeto Sonho) da empresa Yume no Sekkeisha 夢の設計社 (Planejamento de Sonhos) e a revista mensal de arte japonesa Geijutsu Shincho 芸術新潮 publicada em agosto de 1991.

 

LOUVOR AO MONTE FUJI

Dentro do senso estético e da apreciação da natureza realizada pelos japoneses, a flor de cerejeira e o Monte Fuji ocupam um lugar de importância. Desde a antiguidade, o Monte Fuji é considerado uma montanha sagrada, acredita-se ser uma montanha onde divindades habitam e, portanto, objeto de reverência. A fé nesta montanha é chamada de veneração ao Monte Fuji.

O Santuário Principal Fujisan Hongu Sengen Taisha (富士山本宮浅間大社) é considerado o santuário original e abriga o espírito divino do Monte Fuji, sendo venerados os deuses do Monte Fuji no Hongu 本宮 (santuário principal) e o Okumiya 奥宮 (santuário interior).

 

A divindade reverenciada neste santuário chama-se Konoya sakuya-hime. No período Edo foi alvo da veneração dos membros do Fujikô 冨士講, uma organização religiosa que venera o Monte Fuji, muito em voga naquela época.

Em japonês, a atual escrita oficial de Monte Fuji é 富士山 (Fuji-san), mas escrevia-se de outras formas no passado. O registro mais antigo disto foi encontrado no “Hitachinokuni fudoki 常陸国風土記”, descrição da cultura, clima e outras coisas da província de Hitachi, ano 713, onde Monte Fuji aparece grafado com os seguintes ideogramas 福慈岳. Existe ainda outras referências antigas, onde o nome “Fuji” foi escrito com diferentes caracteres, fazendo a união de 不二 (não + dois) que significa únicoincomparável; 不尽 (não + exausto), significando sem fiminterminável.

 

APARÊNCIAS DO MONTE FUJI

O Monte Fuji, dependendo do ângulo que se vê, horário e estação do ano, é denominado de formas diferentes, tais como:

– “Aka Fuji” 赤富士 (Fuji vermelho, quando a face da montanha parece vermelha à luz do sol, especialmente no início das manhãs de final de verão e começo de outono).

– “Beni Fuji” 紅富士 (lit. Fuji vermelho, embora sua cor seja mais próxima à rosa, quando a luz do sol da manhã do inverno bate na neve, na parte superior da montanha).

– “Sakasa Fuji 逆さ富士” (reflexo do Monte Fuji no lago).

– “Daiyamondo/Diamond Fuji ダイヤモンド富士” (Diamante Fuji, quando o sol fica exatamente sobre o cume do Monte Fuji, fazendo-o parecer-se um diamante cintilante, no solstício de inverno; a depender do lugar, este fenômeno pode ser apreciado no nascer ou no pôr do sol).

– “Kague Fuji” 影富士 (sombra do Fuji, sombra projetada pelo Monte Fuji no mar de nuvens ou na superfície do solo; acontece duas vezes por dia, ao nascer e ao pôr do sol).

– “Kasagumo Fuji” 傘雲富士 (Fuji com nuvens formadas ao cruzar a montanha, no cume, como um guarda-chuva).

Fotografias do Monte Fuji, de Matsumoto Yoshinori, residente no Japão.

 

O MONTE FUJI NA LITERATURA E NA ARTE

Na obra clássica “Man’yôshû”, a mais antiga coletânea de poesia japonesa (séc. VIII), o poeta Yamabe no Akahito escreve:

田子の浦ゆ うちいでてみれば ま白にぞ

富士の高嶺に 雪は降りける

Tago no ura yu uchi idete mireba mashiro ni zo

Fuji no takane ni yuki wa furikeru

Da baía de Tago

Eu vejo, quando olho para fora,

Puro alvor

No cimo do Fuji

A neve cai

 

Em “Taketori monogatari”, o conto do cortador de bambu, século X, a princesa Kaguyahime, nascida de um bambu, no momento de retornar à lua, na noite do dia quinze do oitavo mês, deixa para trás o elixir da vida eterna. Na época, o imperador considera-o desnecessário e queima-o no topo da montanha mais perto do céu (Monte Fuji). Dizem que o monte foi chamado de “Fuji”, em referência a “fushi” 不死 (vida eterna).

Osamu Dazai (1909-1948) publicou a obra “Fugaku Hyakkei” 富嶽百景 (Cem vistas do Monte Fuji ) em 1939, e num trecho escreve: “o que combina bem com o Fuji é a flor de onagra (tsukimisô 月見草)”. Há uma inscrição em pedra deste trecho na garganta de Misaka toge 御坂峠, na província de Yamanashi. Dentro da mesma obra, Dazai admira a vista deste lugar dizendo: “como se fosse uma pintura na parede de uma casa de banho público”.

 

Rakuyaki shirokatamigawari chawan 楽焼白片身変茶碗
(Cerâmica Raku branca com a metade diferente)

Tigela de cerâmica Raku branca, considerada um tesouro nacional do Japão, do ceramista Hon-ami Kôetsu (1558-1637). A obra é uma tigela no formato de um lindo pico nevado e chama-se “Fujisan” (不二山). Também conhecido como “Furisode chawan” (振袖茶碗).

 

Omote Fuji, Ura Fuji

A vista do Monte Fuji desde a província de Shizuoka é conhecida como Omote Fuji 表富士 (Fuji em posição frontal). Desde a Província de Yamanashi, é conhecida como Ura Fuji 裏富士 (Fuji em posição posterior).

O Monte Fuji além de estar ligado à fé, está dentro da perspectiva de visão da natureza dos japoneses, e também aparece pintado nas paredes das casas de banho público. A série de gravuras “36 vistas do Monte Fuji“(Fugaku Sanjûroku-kei 富嶽三十六景) de Katsushika Hokusai 葛飾北斎(1760-1849) está gravada na memória artística de todos.

O Monte Yôtei (羊蹄山) de Hokkaido é também conhecido como Ezo-Fuji (蝦夷富士). Por sua semelhança com o Monte Fuji, Ezo é o nome antigo da ilha de Hokkaido, e no santuário Hikawa-jinja de Senju, Tokyo, há uma réplica do Monte Fuji, um montículo artificial chamado Fujizuka.

 
O Fuji é impresso também em coisas assim…

 

O Monte Fuji é um lugar considerado sagrado desde tempos imemoriais, e até mesmo para os contemporâneos pode-se dizer que é uma presença necessária, estando impregnado na consciência artística e na concepção de natureza dos japoneses.

Fevereiro de 2019

Veja também

  • 3. Hotaru – Vaga-lume

    3. Hotaru – Vaga-lume

    O vaga-lume começa a aparecer no arquipélago japonês, aproximadamente, a partir da terceira semana de maio, e pode ser apreciado até meados de junho. O tema central do presente artigo é ele. Na publicação anterior ...
  • 2.  Haru wa akebono – Da Primavera, o amanhecer

    2. Haru wa akebono – Da Primavera, o amanhecer

    Autora do Período Heian (794 a 1185), Sei Shônagon (清少納言 965-1017/1025) compôs a obra “Makura no Sôshi 枕草子” (O Livro do Travesseiro), onde com grande maestria escreve sobre o transcorrer das quatro estações. Começa com “Haru wa akebono”, manifestando grande interesse pelas estações ...