- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

A Festa do Divino em Pirenópolis, GO

A Festa do Divino Espírito Santo é a maior manifestação popular de Pirenópolis, GO. Uma mistura de tradições religiosas e profanas e com duração de doze dias, o ponto alto é o Domingo do Divino, cinquenta dias após a Páscoa. É uma mistura de Novena, folias, procissão, missa roqueira, mascarados, cavalhadas, pastorinhas, congadas, e outras apresentações folclóricas.

O culto ao Espírito Santo vem de tempos remotos, pois desde o início do cristianismo celebrava-se o Pentecostes, o dia que sob a forma de pomba o Espirito Santo desceu sobre a comunidade apostólica e acendeu as línguas de fogo sobre suas cabeças. Esta festa foi instituída em Portugal no século XIII e foi trazida ao Brasil pelos portugueses desde a colonização. Há registro de sua celebração em Pirenópolis já em 1819. O símbolo da Festa do Divino é uma roda de línguas de fogo com a pomba branca ao centro. As cores da festa são a cor branca que representa a paz e a pomba, e a cor vermelha que simboliza o Espírito Santo e as labaredas de fogo.

Durante o período que antecede a festa acontecem celebrações rurais e a grande festa acontece no domingo de Pentecostes. Nesse dia acontece a Procissão do Divino que retrata, com toda sua simbologia e pompa, o Rei, a Rainha e a Corte portuguesa, autenticados pela Coroa, pelo Cetro e pelas virgens vestidas de branco.
No período festivo são encenadas as “Cavalhadas”, que retratam as batalhas entre cristãos e mouros, e nelas os “mascarados” são fundamentais, pois eles são o símbolo cultural da festa. A máscara tradicional é a do boi, mas existe a de onça, de macaco e de homem. Outro acessório indispensável são as flores de papel crepom que enfeitam as máscaras e os cavalos dos mascarados. A Festa do Divino de Pirenópolis foi registrada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, reconhecido pelo IPHAN, em 15 de abril de 2010.

Fevereiro de 2019

Veja também

  • Plantas do Brasil – 4. Vitória-régia (Parte II)

    Plantas do Brasil – 4. Vitória-régia (Parte II)

    Na primeira parte foram levantadas algumas características da Vitória-régia. Entre elas, a utilização na culinária, como a semente que estoura como a pipoca e tem sabor semelhante. Além da semente, o caule da Vitória-régia pode ...
  • Plantas do Brasil – 3. Vitória-régia (Parte I)

    Plantas do Brasil – 3. Vitória-régia (Parte I)

    Uma das flores exóticas brasileiras mais bonita que existe é a vitória-régia, sendo a maior planta aquática do mundo. É originária da Amazônia e possui uma folha grande em forma de círculo, podendo chegar até ...
  • Plantas do Brasil - 2. Lágrima de Cristo

    Plantas do Brasil – 2. Lágrima de Cristo

    A série “Plantas do Brasil” está de volta!A partir deste ano retomaremos esta página.O título “Plantas do Brasil” nos remete às plantas nativas do nosso país, mas a quantidade existente não é assim tão relevante. ...
  • Plantas do Brasil - 1. Quaresmeira

    Plantas do Brasil – 1. Quaresmeira

    Iniciaremos a partir de agora, como primeira tentativa, a apresentação das plantas do Brasil que se desenvolvem nesta rica e abundante natureza existente no Brasil. E entre elas, poderão ser encontradas flores apreciadas pelos praticantes do ...
  • Folia de Reis

    Folia de Reis

    Folia de Reis, Reisado ou Festa de Santos Reis celebra a visita dos três Reis Magos ao menino Jesus. A origem está associada a uma tradição cristã portuguesa e espanhola, que se tornou tipicamente brasileira ao ...

Última atualização

01/09/2021 - 13. Fûryû – elegante, refinado… | Wa no kokoro – O espírito japonês
01/09/2021 - 13. KAZE | Cantinho da Língua Japonesa
01/08/2021 - Plantas do Brasil – 4. Vitória-régia (Parte II) | Relatos de Cenas Brasileiras
01/08/2021 - Sumi – 1 | Mini conhecimentos sobre Chadô
01/06/2021 - 12. Mi ni shimu – Um modo profundo de sentir… | Wa no kokoro – O espírito japonês
01/06/2021 - 12. TORI | Cantinho da Língua Japonesa
01/05/2021 - Utensílios do Mizuya – 3 | Mini conhecimentos sobre Chadô