- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

Waka-ayu

Há muitos doces típicos confeccionados apenas na estação apropriada, e possivelmente, o wagashi waka-ayu 若鮎 é um dos mais representativos do início do verão nas docerias típicas japonesas.

Este wagashi, conhecido também como “ayu-yaki 鮎焼き” ou “yaki-ayu 焼鮎” (lit. ayu assado), ou simplesmente, “ayu 鮎”, é modelado a partir de uma fina massa de pão de ló Castela (カステラ) envolvendo ou pasta de feijão doce ou pasta de gyûhi 求肥 em formato de meia-lua, representando o peixe ayu nadando em águas cristalinas, e com um carimbo quente coloca-se por fim a marca dos olhos e guelras. Antigamente, começavam a vendê-lo simultaneamente com o fim da proibição da pesca de ayu, em junho, mas recentemente, estão nas vitrines a partir do mês de maio.

Originalmente, era chamado “chôfu 調布” em referência ao tecido usado para pagamento dos impostos obrigatórios “chôfu 調布”, mas em algum momento, foi tomando a forma do peixe ayu. Às vezes, se escuta que é um doce típico que faz lembrar os peixes do verão no rio Kamogawa, em Kyoto, porém há fontes de que a forma é originária de Nagoya e Gifu, a origem não é precisa. O importante é que com certeza, o doce é feito a partir daquele orgulho de morar numa região onde existe um belo rio.

O recheio na região de Kansai é só de pasta gyûhi, enquanto que em Kanto o comum é o que vem com o recheio de gyûhi e pasta de feijão (anko 餡子). Em Gifu ou Nagoya pode até vir com o recheio de miso (pasta fermentada de soja). A massa é, na maioria das vezes, feita da receita suave do pão de ló “Castela”, contudo, há também a versão com a massa seca estilo senbei (bolacha dura de farinha de arroz assada ou grelhada).

Este doce é apreciado tanto por crianças quanto por adultos, pois seu aroma leve e doce se espalha pela massa fina, suave e fofa, e o recheio macio de gyûhi apresenta uma resistência agradável ao mastigar. A marca ou o selo de ayu difere de confeitaria para confeitaria e é até divertido fazer comparações das diferentes feições entre elas!

Listras verticais em escarlate predominam, sendo complementadas por outras em cores como amarelo, branco, azul-marinho etc.; por sobre elas entrecruzam-se tênues faixas horizontais brancas, formando uma grade sutil. Este exuberante padrão é bastante rico em variações. Diz-que o nome “Yahe-e” advém de certo artesão que viajou até a China do período Song (960–1279), onde estudou este tipo de técnica Kantô; ele trouxe-a então para Hakata, no Japão antigo (atual Fukuoka). Os detalhes históricos, porém, são incertos.

Junho de 2018

Veja também

  • Hanabira-mochi

    Existem diferentes doces que nos fazem sentir a vinda das estações, mas há apenas um que aparece na celebração do Ano-Novo, o hanabira-mochi (lit. mochi em pétalas); apreciado como aquele wagashi que traz bons augúrios para o novo ano. ...
  • Kurimushi yôkan

    Outono frutífero, outono de apetite, é a época em que os ingredientes gostosos da estação não devem passar despercebidos no mundo dos doces japoneses. O kurimushi yôkan 栗蒸し羊羹 surge nas vitrinas das confeitarias justamente entre o outono e ...
  • Fu-manjû

    Mesmo na época de pleno calor há muitos doces japoneses leves que podem ser saboreados. Desta vez vamos apresentar um deles: o “fu-manjû” (麩饅頭), visto nas confeitarias japonesas no verão. É feito de pasta de ...
  • Hanamidango

    Uma das características típicas da primavera japonesa é apreciar as flores da cerejeira no auge de seu florescimento debaixo das árvores, comendo algo delicioso ou tomando algum sake prazerosamente. Para acompanhar esta cerimônia de contemplação das flores ...
  • Uguisu-mochi

    No início da primavera ainda remanesce o frio do inverno, as flores das ameixeiras japonesas começam a florescer e os rouxinóis iniciam o seu canto. O “uguisu-mochi” (うぐいす餅 lit. mochi rouxinol) tem este nome em homenagem ...