- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

Entrevista com o professor japonês Massao Daigo

Para a 18ª entrevista com uma celebridade brasileira, convidamos o escritor japonês Sr. Masao Daigo. Perguntamos a ele sobre o histórico de sua mudança ao Brasil, sua vida e experiências no Brasil, as diferenças de costumes culturais entre o Brasil e o Japão, seus hobbies recentes e outras histórias interessantes.

Perfil

Nascido na cidade de Yokohama – Prefeitura de Kanagawa, Japão.

Formado em Letras na Universidade de Gakushuin.

Família: esposa

Data de nascimento: 03 de janeiro de 1935

Residente em São Paulo

 

[História da mudança para Brasil]

~ De Yokohama para São Paulo ~

Quando eu era criança, costumava brincar num pátio perto do porto de Yokohama, e toda vez que via um navio estrangeiro atracado no porto, ou ia visitá-lo ou sonhava conhecer um país no exterior.

Na Faculdade de Letras da Universidade de Gakushuin, escolhi o Curso de Filosofia Estética, e enquanto estudava a matéria de arte budista, fui atraído pela técnica da laca seca que surgiu na era “Tenpyo”, e fiz algumas estátuas budistas que foram exibidas numa exposição de arte na cidade de Yokohama.

Aprendi a tocar instrumento de metal num grupo ou banda de músicos (“brass band” em inglês) do curso colegial onde estudava, e então arrumei um emprego de meio período numa grande banda de jazz onde fui encarregado a tocar o saxofone, durante a época do colégio e da faculdade. (Hideo Hirose, músico integrante de uma banda de jazz em São Paulo, é seu irmão mais novo).

Não conseguia desistir do sonho de ir ao exterior de navio, e assim que concluí a faculdade, decidi mudar para o Brasil (No Japão, naquela época, não se podia viajar livremente ao exterior devido à falta de moeda estrangeira. Queria primeiramente estudar na Índia. Porém, depois de pesquisar, descobri que havia uma espera de cinco anos para prestar o exame para vaga de estágio no exterior, e acabei então desistindo daquela ideia). Em 1960, parti do porto de Yokohama no navio holandês Chacharenga. Depois de passar cerca de três meses no navio, cheguei finalmente ao porto de Santos. Na alfândega de Santos, conversei em inglês com um senhor alegre de meia idade chamado Pelé. Mais tarde, soube que ele era o famoso jogador de futebol brasileiro.

Depois que me formei da Faculdade, percebi que o que aprendi na escola não era muito útil assim que ingressei na sociedade, mas que era muito importante continuar estudando depois de concluir os estudos na escola.

Nos anos 60, quando eu era estudante, havia uma intensa manifestação estudantil que clamava contra o Tratado de Segurança Japão-USA. Eu não me interessava pela política e era do tipo apolítico, mas mesmo assim fui levado por aquele ambiente estudantil e acabei participando, algumas vezes, daquelas manifestações realizadas ao redor do prédio da Assembléia Nacional.

~ Após a chegada ao Brasil ~

No bairro da Liberdade, foi instalado um cinema especializado em passar filmes da *Toei, o Cine Niterói. Afinal, era uma época em que não havia TV, e então na comunidade de imigrantes japoneses, o cinema japonês se encontrava no auge do entretenimento. Havia casas especializadas em filmes da *Shochiku, *Nikkatsu e *Toho em São Paulo, mas filmes da Toei eram extremamente populares com seus artistas famosos como Chiezo Kataoka e Kinnosuke Nakamura. Na rua onde estava o Cine Niterói surgiram restaurantes japoneses (começando com um restaurante de Udon), e as lojas comerciais começaram a se mudar de outros bairros para a região do Cine Niterói, que gradualmente se tornou tão animada quanto a **Monzen-machi, passando a ser conhecida por bairro japonês (posteriormente, com a capitalização da China, começou a ser chamado bairro oriental).

(*Empresas de produção e distribuição de filmes. **Bairros ou comunidades que surgiram a partir da entrada dos santuários ou templos, com pousadas e casas comerciais para ativar a economia local)

Alguns anos depois da minha vinda ao Brasil, encontrei por acaso um livro de literatura da colônia japonesa “Nikkei Bungaku” que foi publicado em São Paulo. E após a sua leitura, percebi que estava acumulando em mim muitos sentimentos que surgiram ao encontrar com as diferentes culturas no meu dia a dia, as quais queria expressar de alguma forma. Até então, eu me ocupava apenas com a música e vivia quase sem nenhuma relação com a literatura, pensando que romance seria algo a ser escrito num lugar tranqüilo e silencioso, como numa pousada na região de Izu (Japão) frequentada pelo romancista Yasunari Kawabata. Larguei então o meu emprego em São Paulo e fui trabalhar como professor de japonês num vilarejo localizado à beira-mar. No entanto, embora a eletricidade estivesse chegando ao vilarejo, a voltagem era tão baixa à noite que o rádio entrava somente depois das 21:00 horas, além de não poder escrever ou ler livros. Como consequência, comecei a praticar a pesca noturna no rio ou na lagoa das proximidades. A partir de então, a pescaria e também as atividades ao ar livre se tornaram meus hobbies.

Bem, tenho feito esse desvio na minha vida, mas consegui ganhar o prêmio de escritor novato *“ALL YOMIMONO”, e também me tornei um dos candidatos ao prêmio de escritor novato **“NAOKI”, e assim consegui ver o meu nome ser incluído no final da lista dos escritores.

(* O prêmio “All Yomimono foi criado pela Bungueishunju Co., Ltd., em 1952, para premiar o primeiro colocado entre os candidatos de escritores novatos querendo entrar no quadro dos escritores da revista mensal de entretenimento de mesmo nome, “All Yomimono”. ** O prêmio de escritor novato “NAOKI”, ou “Sanjugo Naoki”, foi criado em homenagem ao escritor Sanjugo Naoki, em 1935).



[Atraído pela Amazônia]

Quando o escritor Takeshi Kaiko veio ao Brasil em viagem de cobertura do seu novo livro “Opa”, um diário de viagem sobre a pesca na Amazônia, trabalhei como seu guia. Desde então, já viajei várias vezes para a Amazônia.

~ Estilo de vida, costumes, cultura alimentar da Amazônia ~

Sempre que vou para a Amazônia de São Paulo ou de Tóquio (ele mora metade do ano em São Paulo e outra metade em Tóquio), tenho algumas impressões interessantes que gostaria de falar um pouco.

Para ir à Amazônia é de avião, então o primeiro lugar a chegar é na cidade de Belém ou na cidade de Manaus. No meu caso, costumo chegar à cidade de Belém que fica na foz do rio. Os primeiros dias em Belém são muito quentes. O clima é quente porque está na região do Trópico do Capricórnio próximo da Linha do Equador. Nesse primeiro momento, sinto um choque térmico, pois meu corpo ainda não está acostumado com as temperaturas elevadas, mas depois de alguns dias, consigo me adaptar e geralmente não sinto mais aquele calor intenso de Belém.

Não sou especialista em saúde, então não posso afirmar nada, mas talvez o consumo de calorias na zona tropical para sobreviver seja menor que na zona temperada (e inversamente, na zona boreal precise talvez de mais calorias). Li há muito tempo um relatório da ONU sobre a alimentação dos povos da Amazônia, o qual afirmava que a dieta das classes baixas não atende às calorias diárias necessárias. Além disso, num livro escrito por um homem que explorou a Amazônia no século XIX, ele conta que ficou surpreso vendo “os homens por ele contratados trabalharem tão bem apesar da dieta alimentar assustadoramente simples e pobre” em calorias. Parece existir uma dieta alimentar que combine com o clima quente. Então procurei livros de culinária para saber sobre a distribuição calórica relacionada ao verão ou inverno no Japão. Porém as receitas mencionavam apenas que o “nabemono” (tipo ensopado, ou “hot pot” em inglês) era mais indicado para inverno, e “hiyashi chuuka” (tipo macarrão chinês resfriado) para verão, e não esclareceram minhas dúvidas. Presumo que talvez não exista muita pesquisa desta natureza na área nutricional.

Quando se trata de comida, os etnólogos dizem que os indígenas da Amazônia são um dos povos que menos trabalhava para sua subsistência. O alimento básico deles, que é a mandioca (aipim, “cassava” em inglês) se trata de uma planta perene de alta produtividade, capaz de alimentar suficientemente uma pessoa com apenas 10 pés plantados. E como a planta toda contém a toxina cianeto (sendo perigoso comer crua), a agricultura de mandioca não é invadida ou atacada por animais ou pragas. Portanto basta plantar um galho na terra e deixá-lo sem manutenção para depois conseguir uma boa colheita. As mulheres tiram o suco espremido da batata recém colhida, que será aquecido para desintoxicar, e depois será usado como alimento.

Fiquei imaginando que se aprender esta sabedoria dos indígenas e desenvolver variedades de arroz japonês que são venenosas o suficiente para prevenir insetos ou pragas, mas cuja toxicidade desaparece quando o calor é aplicado, seria possível produzir arroz sem pesticidas e sem trabalho de manutenção.

~ Uniformidade do formato corporal ~

Após a Segunda Guerra Mundial, havia uma Escola Superior de “Takushoku” na região de Noborito (na Prefeitura de Kanagawa) com o objetivo de treinar os líderes dos imigrantes, e a maioria deles imigraram para Amazônia. E, fui convidado a participar da cerimônia em homenagem ao 50º aniversário da imigração dos formandos da Escola Superior de Takushoku, celebrada em Parintins. Por se tratar de um festival de 50º aniversário, a maioria deles está hoje com quase 70 anos. Entre eles, era cerca de meio a meio aqueles que moram há muito tempo na Amazônia e aqueles que foram morar nas cidades como São Paulo. E, as pessoas que se mudaram para cidades eram gordas ou magras, e as pessoas que moravam na Amazônia eram todas magras, ou seja, tinham uniformidade no formato corporal. Lembrei-me então de peixes como a cavala ou a sardinha do mar que tem o mesmo formato corporal. Além disso, embora o assunto da população urbana fosse geralmente sobre as doenças, raramente a doença era assunto entre os amazonenses. (Isso não parece significar que o povo amazônico não fique doente, mas simplesmente não era assunto comum da conversa.)

A dieta alimentar da Amazônia, que antes era considerada uma dieta da classe baixa, hoje, nesta era da saciedade, é considerada uma dieta saudável (parece que os seres humanos são muito desleixados). O motivo é que na Amazônia não se produzia o óleo, então a comida era assada ou fervida, e não existiam frituras. Outro motivo é que a dieta consistia principalmente em peixes, e não em carne bovina ou suína.

~ Peixe gigantesco da Amazônia ~

Os peixes do rio Amazonas são tão deliciosos quanto os do mar. Existem mais de 3.000 espécies na Amazônia (No Japão existem apenas cerca de 100 espécies de água doce). Um dos peixes mais saborosos é o pirarucu, que também é aquele que representa a Amazônia. Dizem que o pirarucu, entre outros da região, é o maior do mundo.

O pirarucu fresco está à venda no mercado, mas até a expansão de navios a motor, apenas o pirarucu seco salgado era vendido. Era um importante alimento comercializado em grande quantidade, mas os pescadores de diversas regiões processavam o pirarucu na frente de suas próprias casas. Porém era impossível conseguir uma secagem perfeita de um peixe gigante com cerca de 3 metros de comprimento, num clima quente e úmido da Amazônia. O produto final acabava ficando com uma cor acastanhada (queimada), e por este motivo era conhecido por “comida de classe baixa”.

Cheguei a ver os pescadores salgando e secando o peixe. Eles usavam a parte traseira para salgar e secar, mas não conseguiam salgar a parte inferior da barriga que era rica em gordura, e como não podia colocar à venda, era consumida em casa. Ganhei uma vez essa parte gorda da barriga (chamada “toro” em japonês). Temperei com sal e grelhei na brasa do carvão, o que ficou realmente uma delícia. Conservei o resto (do “toro”) temperado com “missô” e grelhei no dia seguinte, o que também ficou muito bom. Mais tarde, tive oportunidades de experimentar o refogado temperado com sal, ou com curry, mas não havia receita melhor que grelhado na brasa do carvão (assim como a melhor receita do peixe pique é grelhado). O pirarucu é um peixe antigo que não mudou de aparência desde 100 milhões de anos atrás, época em que habitavam os dinossauros na Terra. Pensei então que “Se o pirarucu é tão saboroso, a carne de dinossauro poderia ter sido saborosa também.”

 

[Encontro com a esposa]

~ Incidente que motivou o encontro ~

Num certo ano, viajei para encontrar um amigo num festival de assentamento na região de Guaíra, no estado de São Paulo, onde estava localizada a empresa produtora de algodão Brascott. Peguei um ônibus na estação rodoviária da cidade de Guaíra com destino ao local do festival. Pouco depois de partir, o ônibus parou no meio da estrada devido a uma falha no motor. Além de mim, estavam duas moças no ônibus, a Sumiko (hoje, minha esposa) e sua irmã mais nova. O ônibus quebrado desapareceu deixando nós três na beira da estrada. Demorou duas horas para passar o próximo ônibus. Enquanto isso, nós nos apresentamos e nos conhecemos. O resultado das três pessoas reclamando que o ônibus do interior era muito desgastado, foi um casamento feliz, assim como diz o ditado japonês “ninguen banji saiouga uma” (ou o ditado similar em português “Há males que vem para o bem”), acontecem na vida coisas ruins que resultam em coisas boas.

 

[Hobbies recentes]

~ Interessado em fazer cuscuz ~

Meus hobbies eram a pescaria e as difíceis caminhadas na montanha. Tenho administrado uma pequena empresa desde que voltei ao Brasil, mas ainda não encontrei um novo hobby porque acabei de me aposentar por causa da Covid-19. Não posso ainda chamar de hobby, mas estou agora interessado em encontrar na internet as receitas de pratos que não conheço e fazê-las. Estou concentrado em cuscuz, uma comida que os japoneses quase não conhecem, mas que é geralmente conhecida pelos nikkeis brasileiros. Embora seja uma comida originária do Norte da África, ela se espalhou pelo mundo inteiro e parece que está recentemente incluída como salada nos cardápios do Japão. Faço as receitas de qualquer país, uma a uma nas horas vagas. É interessante fazer imaginando: “por que a receita deste país é preparada desta forma?”

 

[Sobre a cerimônia do chá]

~ A capela e a cerimônia do chá ~

Não tenho experiência em cerimônia do chá, mas quando visitei certa fazenda no interior, encontrei uma pequena capela que podia acomodar cerca de 10 pessoas. A capela era pintada de branco com cal por fora e por dentro, era simples, limpa e sem enfeites. Por ser uma capela, aquele pequeno espaço me causava uma sensação de aperto no coração que me fez imaginar um lugar apropriado para fazer a cerimônia do chá.

** Da editora:  Os nossos sinceros agradecimentos pela valiosa conversa concedida durante longas horas. 

* O texto original da entrevista foi mantido.

Entrevista: 17 de agosto de 2021

 

Outubro de 2021

Veja também

Última atualização

01/10/2021 - Relatório: 1º HARU MATSURI ORGANIZADO PELO BUNKYO
01/10/2021 - Matéria Especial: Entrevista com o professor japonês Massao Daigo
01/09/2021 - 13. Fûryû – elegante, refinado… | Wa no kokoro – O espírito japonês
01/09/2021 - 13. KAZE | Cantinho da Língua Japonesa
01/08/2021 - Plantas do Brasil – 4. Vitória-régia (Parte II) | Relatos de Cenas Brasileiras
01/08/2021 - Sumi – 1 | Mini conhecimentos sobre Chadô
01/06/2021 - 12. Mi ni shimu – Um modo profundo de sentir… | Wa no kokoro – O espírito japonês