- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

CHÔYÔ 重陽 (lit. sobreposição do positivo/ do yang)

Refere-se ao nono dia do nono mês, chamado também de chôyô no sekku, (lit. festival chôyô) e é conhecido como jûku devido à repetição do número nove.

KikuNa China conceitua-se o número ímpar como um número favorável, assim, pelo fato de repetir o número “nove”, o nono dia do nono mês é considerado um dia muito auspicioso.

Também se acredita que os crisântemos são flores longevas, por isso havia nesse dia o costume de tomar sake com pétalas de crisântemo (kikuzake) para obter boa saúde, longa vida e afastar os males.

Esta tradição foi transmitida ao Japão na era do Imperador Tenmu (séc. VII), denominando-se: “Banquete da Flor do Crisântemo” (kikka no utage), uma cerimônia anual da Corte.

O imperador abdicado Go-Toba (séc. XII – XIII) amava profundamente o crisântemo, e por isso, desde então, tem sido usado como emblema da família imperial, mas foram concebidas 164 variedades do design do emblema e seu uso não se limitou somente à família imperial. O único que pode ser usado apenas pela Casa imperial é o crisântemo dobrado com dezesseis pétalas viradas para cima (Jurokuben-yaeomotegiku).

Jurokuben-yaeomotegiku
Jurokuben-yaeomotegiku

Jukiku
Jukiku

Juroku-urakiku
Juroku-urakiku

Kikusui
Kikusui

Kiku ni ichimonji
Kiku ni ichimonji

No período Edo (séc. XVII), o chôyô foi adicionado como uma das cinco celebrações sazonais, e no xogunato, estabeleceu-se o costume de que todos os subalternos comparecessem ao castelo do senhor feudal (daimyô) para comemorar; portanto, era um evento oficial anual. O povo também adquiriu este costume e celebrava tomando sake com pétalas de crisântemo, comendo arroz com castanhas, e a partir deste dia, era comum acontecer a mudança sazonal de vestuário (koromogae), trocando para trajes com forro.

No período Genroku (séc. XVII), existiam mais de 200 subespécies de crisântemos.

O crisântemo foi introduzido na cultura japonesa, mas o costume de comemorar este dia caiu em desuso após a era Meiji (séc. XIX). Atualmente, transformou-se em um dia onde são realizadas feiras de crisântemo [e os participantes competem quanto à qualidade e à beleza de suas flores].

 

 

Jukiku, Kikusui, Kiku ni ichimonji (CC by-sa Mukai, https://ja.wikipedia.org/wiki/菊花紋章)
Juroku-urakiku (CC by-sa Kaustubh, https://ja.wikipedia.org/wiki/菊花紋章)

Setembro de 2015

Veja também

  • Shôgatsu – Ano-Novo

    Shôgatsu – Ano-Novo

    O Ano Novo (Shôgatsu正月) marca o início do ano em todos os tipos de calendários do mundo. As pessoas celebram tanto o encerramento de um ano que se passou em segurança quanto a passagem para um ...
  • HASHI - Pauzinhos

    HASHI – Pauzinhos

    Há muitos povos no mundo que comem com as mãos. Não se pode dizer que são tantos assim os que utilizam os pauzinhos (hashi) na hora da refeição, mas sua história é longa, datando da ...
  • EBISUKÔ

    EBISUKÔ

    É um dos eventos anuais populares que acontecem desde o período Edo em tributo ao deus Ebisu (恵比須), conhecido como o Deus da Fortuna, representado nas imagens com roupa de caça antiga (karinugi 狩衣), além ...
  • OBON – Culto aos Epíritos dos Ancestrais

    OBON – Culto aos Epíritos dos Ancestrais

    O culto em memória dos espíritos dos antepassados é uma característica peculiar da cultura japonesa e revela o sincretismo entre a fé aos espíritos ancestrais do antigo Japão e o budismo. Chamado de obon ou ...
  • KITAMAKURA – Travesseiro do Norte

    KITAMAKURA – Travesseiro do Norte

    A expressão japonesa kitamakura 北枕 (“travesseiro do norte”) significa dormir colocando o travesseiro no lado norte, deitando com os pés virados para o sul.  Este ato antigamente era considerado de mau augúrio…