- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

5. Kiku – Crisântemo

Esta planta de nome científico Chrysanthemum foi levada da China ao Japão, na antiguidade. É a mais representativa e comercializada do Japão, além de sua flor ser símbolo do brasão imperial japonês. Apresenta uma grande variedade de tipos, que geralmente são classificados por tamanho e florescem principalmente no outono.

No dia 9 de setembro é celebrado o Chôyô-no-sekku 重陽の節句 (nono dia do nono mês do calendário lunar), também conhecido como Kiku-no-sekku 菊の節句 (Festival do Crisântemo). Nesta festividade, uma vida longa e eterna é desejada através das flores de crisântemo, além de se desfrutar de tudo que se relacione com ela. Costuma-se tomar saquê desta flor e comer arroz com castanhas portuguesas ou berinjelas de outono.

Provavelmente, esta flor começou a fazer parte da cultura japonesa a partir do momento em que o Imperador Kanmu (737-806) realizou, no ano 791, o primeiro Kikuawase 菊合わせ (competição de flores de crisântemo). É um jogo em que grupos separados, frente a frente, trazem esta flor para competir a sua beleza. É uma espécie de utaawase 歌合せ (competição de poesia), na versão “flores”. Este jogo fez-se muito popular no Período Edo (1603-1868) entre o povo, e principalmente de meados ao final deste período, na Era Bunka (1804-1818), esculturas de objetos e bonecos confeccionados de crisântemo (kiku ningyô 菊人形) começaram a aparecer. Este costume atravessou a Era Meiji (1868-1912) e continua até a atualidade.

 

Na província de Yamagata produzem uma variedade de crisântemo comestível, a mottenohoka (もってのほか), conhecida também como “o rei dos crisântemos comestíveis”, pelo seu sabor e aroma típicos. Dizem que a origem do nome vem do seu significado, “comer uma flor que representa o emblema do imperador é mottenohoka (fora de questão, impossível)”.

O nome formal, entretanto, é enmeiraku (延命樂) (lit. o prazer do prolongamento da vida). Cozida na água, levemente, utiliza-se em sopas, frituras, e em diferentes tipos de saladas e acompanhamentos.

O brasão imperial japonês é oficialmente chamado de Jûrokuben-yaeomotegiku-mon 《十六弁八重表菊紋》, crisântemo dobrado com dezesseis pétalas voltadas para cima.

No Brasil, floricultores nikkeis plantam também variedades do crisântemo, até mesmo os de grande porte.

A flor da variedade ryôrigiku (リョウリギク) é utilizada como planta medicinal e para curar tonturas, zumbidos, dor nas costas e ânsias de vômito.

Na música clássica, o compositor italiano Giacomo Puccini (1858 -1924) compôs o quarteto para cordas “Crisantemi”, em 1890.

 

Outubro de 2019

Veja também

  • 4. Jûrokuya – Décimo sexto dia da lua

    4. Jûrokuya – Décimo sexto dia da lua

    Em japonês, “jûrokuya” (十六夜) ou “izayoi” (いざよい) refere-se à noite do décimo sexto dia da lua. Se contamos o dia da lua nova como o primeiro, o dia da lua cheia corresponde ao décimo quinto ...
  • 3. Hotaru – Vaga-lume

    3. Hotaru – Vaga-lume

    O vaga-lume começa a aparecer no arquipélago japonês, aproximadamente, a partir da terceira semana de maio, e pode ser apreciado até meados de junho. O tema central do presente artigo é ele. Na publicação anterior ...
  • 2.  Haru wa akebono – Da Primavera, o amanhecer

    2. Haru wa akebono – Da Primavera, o amanhecer

    Autora do Período Heian (794 a 1185), Sei Shônagon (清少納言 965-1017/1025) compôs a obra “Makura no Sôshi 枕草子” (O Livro do Travesseiro), onde com grande maestria escreve sobre o transcorrer das quatro estações. Começa com “Haru wa akebono”, manifestando grande interesse pelas estações ...
  • WA NO KOKORO – O espírito japonês: Louvor ao Monte Fuji

    WA NO KOKORO – O espírito japonês: Louvor ao Monte Fuji

    Neste ano de 2019, publicaremos a série denominada Wa no kokoro – O espírito japonês. Ocupará o lugar da coluna A cultura japonesa do mottainai, dos dois anos anteriores. Apresentaremos temas como: os japoneses e seu ponto de vista da natureza, seu senso estético, sua ...