- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

Notícias do Japão

Que rápido passou, já faz um mês desde meu retorno do Brasil. Minha vida em Tokyo já está mais calma, retomei as práticas de chá (okeiko) e sinto-me feliz toda vez que vou. Bem, em meados de novembro, com o inverno se aproximando, voltei à minha cidade natal, Kanazawa, na Província de Ishikawa, e visitei um lugar que tem relação com chá, o qual gostaria de compartilhar com vocês.

 

KANAZAWA E CHANOYU

No período das guerras civis (Sengoku Jidai), a cerimônia do chá era uma das práticas comuns dos samurai; preparar tranquilamente o chá era um modo de trazer conforto espiritual para sobreviver aos tempos difíceis e possuir um objeto de excelente qualidade foi considerado símbolo de autoridade. O chanoyu também era um espaço para recepcionar convidados.

A atual cidade de Kanazawa, Província de Ishikawa, floresceu como uma área controlada pelo castelo do clã Kaga no período das guerras civis. O fundador do clã, Maeda Toshiie (1538-1599) aprendeu chanoyu como discípulo direto de Sen Rikyû e levou a cultura do chanoyu ao seu clã. A ligação do clã Kaga e a Urasenke iniciou-se quando Sensô Sôshitsu (1622-1697), IV Grão-mestre da Urasenke, prestou serviços nos últimos anos de Toshitsune, III senhor feudal do clã Kaga (1594-1658), quando lhe deram uma mansão nos subúrbios de Kanazawa. Além disso, em 1666, o V senhor feudal, Maeda Tsunanori (1643-1724), sob seus cuidados, convidou Sensô, então funcionário do clã, a oferecer ensinamentos sobre chadô e assim, a Urasenke pôde difundir-se no clã Kaga. Sensô organizou amplamente reuniões de chá de sua preferência e difundiu o chanoyu em uma vasta gama da sociedade, não só entre os samurais, mas também para artesãos e até aos habitantes da cidade; ensinou-lhes a etiqueta do chá.

Atualmente, em Kanazawa e seus arredores, há muitos lugares relacionados com chanoyu, artes e artesanatos como: a residência de Sensô, seu túmulo, diversas salas de chá, cerâmica Ôhi (uma variedade da autêntica cerâmica da família Raku de Kyoto), caldeiras Miyazaki Kanchi (artesão de caldeiras), tecidos de seda pintados à mão para kimono tingidos com a técnica Kaga yûzen, objetos de laca Wajima, porcelana Kutani, entre outros.

Bibliografia:
Kaga Maeda-ke hyakuman koku no chanoyu – Tankôsha – Supervisão de Shimazaki Susumu (2002)
Home Page oficial da cidade de Kanazawa <Cultura Tradicional de Kanazawa/Chadô>
http://www4.city.kanazawa.lg.jp/17003/dentou/bunka/sadou/

 

FORNO DE CHÔZAEMON, FUNDADOR DA CERÂMICA OHI

A cerâmica Ohi iniciou-se quando Chôzaemon, o melhor discípulo de Ichinyû, IV Grão-mestre da família Raku de Kyoto, acompanhou, desde Kyoto, Sensô quando foi convidado como instrutor de chá em Kanazawa. Chôzaemon montou seu forno na aldeia Ohi, nos subúrbios orientais de Kanazawa, ao encontrar a melhor argila da região. E sob a orientação de Sensô criou utensílios para chadô como chawan, mizusashi, kôgô, entre outros, tornando-se o fundador da cerâmica Ohi, existente há mais de 330 anos. Chôzaemon preservava a técnica da cerâmica Raku (moldada à mão) sem usar o torno de oleiro; usou o esmalte cor caramelo (ame) dado pela família Raku, e na queima surgiu a cor âmbar com um brilho diferente ao preto e vermelho da cerâmica Raku, estabelecendo, assim, o estilo único da cerâmica Ohi. Nas obras do fundador Chôzaemon podem ser vistas as características favoritas de Sensô como o desenho de redemoinho e ondas de água.

O Museu Ohi encontra-se na cidade de Kanazawa e nele estão expostos os trabalhos das sucessivas gerações de Ohi Chôzaemon, assim como de mestres de chá, mestres de arranjos de flores, do Sumo Sacerdote do templo budista Tôdaiji, entre outras personalidades culturais que deixaram suas obras e materiais. Além disso, nas instalações para cerimônia do chá é possível degustar o chá verde em pó – matcha – na tigela de sucessivas gerações de cerâmica Ohi, acompanhado de doce chamado “kichi hashi” (吉はし), um doce fresco de alta qualidade (mochi colorido, recheado com doce de feijão e modelado em diferentes designs de acordo com as estações do ano), que em geral, não é vendido nas confeitarias, por isso é conhecido também com o nome de “doce fantasma”.

 

Museu Ohi

Museu Ohi

 

Cerâmica Ohi, forma moldada à mão, na queima usa-se o esmalte âmbar.

Cerâmica Ohi, forma moldada à mão, na queima usa-se o esmalte âmbar.
(à direita) obra de Chôzaemon V
(à esquerda) obra conjunta de Chôzaemon X e o XV Grão-mestre da Urasenke Hôunsai Sen Genshitsu

 

 

Site do Museu Ohi 〈www.ohimuseum.com

Dezembro de 2015
Suzuki Kahoru

Fevereiro de 2016

Veja também

  • Notícias do Japão: Visitando o Museu de Arte Nezu

    Em Aoyama, um bairro central de Tóquio e não muito longe da minha residência, fica o museu particular Nezu. Todos os anos, nesta época, o museu coloca em exibição a obra considerada um tesouro nacional ...
  • Notícias do Japão: Participação no undôkai de Japão

    No Japão é temporada de undôkai (gincana esportiva). Estamos na estação em que já acabaram aqueles dias abafados, de sol ardente e começa a soprar aquele vento refrescante, com as folhas das árvores transformando-se em ...
  • O Emirates Palace Hotel é também uma casa de hóspedes VIP

    Notícias de Abu Dhabi

    FRAGRÂNCIAS DA ARÁBIA – Deixei o Japão em 2011 e depois de iniciar-me no Chadô na sala de chá da Urasenke de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos (EAU), Oriente Médio, continuei a praticar no ...
  • Notícias do Japão: Conhecendo a exposição “Zen: da Mente à Forma”

    Pessoal, como vocês estão? Já se passou um ano desde que retornei ao Japão. Como de costume, tenho levado um dia a dia atarefado, mas, como parte das Notícias do Japão, desta vez falarei sobre ...
  • Notícias do Japão: Viver em Kyoto, Aprender Sobre Kyoto

    No final de março as flores de cerejeira começam a florescer em cinco minutos. Minhas felicitações ao representante oficial no Brasil da Fundação Urasenke do Japão, à “Caravana ao Japão para Rikyû-ki Chakai 2016” chefiada ...