- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

Sakuramochi

No chadô, o doce japonês (wagashi) é oferecido antes de se servir o chá.  Ele pode ser degustado com os cinco sentidos, constituindo assim uma arte abrangente. Pode-se apreciar com os olhos a beleza do formato do doce e a expressão de uma das quatro estações do ano ao qual ele está relacionado. Através do tato, sentimos a sua textura e maciez. Pelo olfato e paladar, temos contato com o aroma de seus ingredientes e seu sabor delicado. O som do poema waka (forma poética tradicional japonesa) traz informações sobre o nome poético do doce e seu lugar de origem. Por isso também se referem ao wagashi como a “arte dos cinco sentidos”.

No Japão, a chegada da primavera acontece no mês de março com o florescer da sakura (flor de cerejeira). O doce japonês representativo neste período é o sakuramochi, um bolinho feito de arroz glutinoso (mochi) e uma pasta doce de feijão azuki com leve toque de sal (anko). O doce é enrolado em uma folha de cerejeira conservada em sal e é seu suave aroma que traz equilíbrio e um toque requintado ao doce, que evoca a contemplação das flores de cerejeira (hanami) através de seu aroma, cor e suave sabor primaveral.

Existem duas variações de sakuramochi, o Chômeiji e Dômyôji.  O Chômeiji (foto ①) é preparado com uma fina massa assada de farinha enrolando a pasta de feijão anko. Ele é mais comum na região de Kantô e conta-se que sua origem remonta o Período Edo: as folhas de sakura chamaram a atenção do zelador do templo Chômeiji enquanto ele varria as folhas caídas da árvore de sakura, percebendo então que poderia usá-las. O Dômyôji (foto ②) é originário da região de Kansai. O mochi que envolve o anko é feito com uma farinha diferente de arroz glutinoso, que é cozido no vapor e deixado secar, produzindo uma farinha mais grosseira, chamada de dômyôji-ko.

Os dois tipos de sakuramochi estão envolvidos também com as folhas da árvore de sakura que foi conservada no sal. As folhas possuem uma dupla função: preservar o aroma e evitar que o mochi resseque. Ela pode ou não ser comida junto com o mochi, fica ao gosto da pessoa que irá consumir o doce. Mesmo quando ela é retirada, seu aroma permanece no mochi, trazendo o doce perfume da primavera.

 

Março de 2017

Veja também

  • Bota-mochi

    Bota-mochi

    Dizem que “tanto o frio do inverno como o calor do verão só duram até o equinócio”. Nesta época em que se sente a mudança das estações, o wagashi típico do equinócio de primavera é o bota-mochi ぼた餅 (牡丹餅)…
  • Hanabira-mochi

    Hanabira-mochi

    Existem diferentes doces que nos fazem sentir a vinda das estações, mas há apenas um que aparece na celebração do Ano-Novo, o hanabira-mochi (lit. mochi em pétalas); apreciado como aquele wagashi que traz bons augúrios para o novo ano. ...
  • Kurimushi yôkan

    Kurimushi yôkan

    Outono frutífero, outono de apetite, é a época em que os ingredientes gostosos da estação não devem passar despercebidos no mundo dos doces japoneses. O kurimushi yôkan 栗蒸し羊羹 surge nas vitrinas das confeitarias justamente entre o outono e ...
  • Fu-manjû

    Fu-manjû

    Mesmo na época de pleno calor há muitos doces japoneses leves que podem ser saboreados. Desta vez vamos apresentar um deles: o “fu-manjû” (麩饅頭), visto nas confeitarias japonesas no verão. É feito de pasta de ...
  • Waka-ayu

    Waka-ayu

    Há muitos doces típicos confeccionados apenas na estação apropriada, e possivelmente, o wagashi waka-ayu 若鮎 é um dos mais representativos do início do verão nas docerias típicas japonesas…