- A Paz Através de Uma Tigela de Chá -

Kuyô (ofício memorial) – Lendas Folclóricas: Tsukumogami

HARI KUYÔ 針供養 – FUDE KUYÔ 筆供養 – CHASEN KUYÔ 茶筅供養
Ofício memorial às agulhas, aos pinceis, aos batedores de bambu (chasen).

Este será o último artigo da série “A cultura japonesa do mottainai”.

Quando se iniciou esta matéria, os leitores podem ter se perguntado sobre o significado ou “o porquê” da palavra mottainai. Assim, ao longo de dois anos, através da série de artigos sobre esse assunto, por si mesmo delineia-se o que seja mottainai.

Nesta ocasião, o kuyô torna-se também a síntese do que foi visto.

Kuyô 供養 (ofício memorial) em sânscrito é pūjā ou pūjanā. O que significa “respeito”. É a oferenda sincera de incenso, flores, lanternas, comida e bebida para Buda, Bodhisattva (santo ou divindade budista) e várias divindades celestiais; e, na crença popular japonesa, refere-se ao serviço fúnebre, aos antepassados.

Pode-se oferecer kuyô aos animais, espelhos, fotografias, escrituras sagradas, oratórios budistas, selos ou carimbos de nomes de família, bonecas etc. Contudo, trataremos do kuyô às agulhas, pinceis e batedores de bambu (chasen).

 

HARI KUYÔ 針供養 – Ofício memorial às agulhas.

É o evento em que é celebrado, em um santuário próximo, o ofício religioso às agulhas de costura que se tornaram inutilizáveis por se quebrar, dobrar ou enferrujar. Provém do costume chinês e, no período Heian, o imperador Seiwa construiu no templo Hôrinji, em Kyoto, uma sala para o ofício memorial das agulhas.

No dia do hari kuyô, em 8 de fevereiro, realiza-se o ritual em que uma agulha grande, com diversas linhas coloridas enfiadas, é espetada em um enorme konjac (konnyaku), com uma prece para o progresso no trabalho da costura.

Com sentimento de gratidão, considerando que “tudo tem espírito”, este ofício é celebrado na região de Kansai no dia 8 de dezembro, como data do “início do trabalho” (kotohajime 事始め), e na região de Kanto em 8 de fevereiro, data do “fim do trabalho” (koto-osame 事納め). Ademais, é famoso o ofício do Santuário de Awashima, em Moji, província de Fukuoka.

 

FUDE KUYÔ 筆供養 – Ofício memorial aos pinceis.

Realiza-se o kuyô em agradecimento ao pincel que cumpriu sua função, junto com os pinceis que se tornaram inúteis, desgastados; e, com o desejo de melhorar a caligrafia, os pinceis são jogados no fogo purificador.

O Ofício religioso dos pinceis e o Festival dos Pinceis (fude matsuri 筆祭り) acontecem no subtemplo Shôgaku-an do templo Tôfuku-ji, Kyoto (23 de novembro), em Kumano-chô, Aki-gun, província de Hiroshima, e também em Kamakura e Nara. Igualmente, no santuário Sugawara Tenmangu (21 de março), com o desejo de melhorar a caligrafia, concluir os estudos, rezar pelo exame de admissão na universidade.

 

CHASEN KUYÔ 茶筅供養 – Ofício memorial aos batedores de bambu.

Com sentimento de gratidão aos chasen desgastados, realiza-se o ofício religioso onde os mesmos são queimados.

Todo ano, no primeiro domingo do mês de dezembro, realiza-se o chasen kuyô no templo principal de Gokoku-ji, no bairro Bunkyo-ku, Tokyo, e no templo principal de Naritasan Shinsho-ji, província de Chiba, realizou-se o chasen kuyô, ano passado, no dia 28 de abril. O Museu Naritasan de Caligrafia tem um “túmulo de chasen” (chasenzuka 茶筅塚), assim como no templo Kencho-ji, da cidade de Kamakura, também há o “túmulo de chasen” e o “túmulo de chawan”.

Em 2018, foi realizado o “festival dos 200 anos” de falecimento do daimyô Matsudaira Fumai (Harusato), e no templo Gesshô-ji, templo do túmulo de sua família, aconteceu o chasen kuyô, no dia 22 de abril.

 

LENDAS FOLCLÓRICAS: TSUKUMOGAMI

Na crença popular, é a convicção de que os objetos antigos têm alma.

Diz-se que no utensílio feito há mais de cem anos, um espírito habita nele e engana a mente das pessoas. Este é o “Tsukumogami”. Por isso, a fim de acolher o Ano Novo, realiza-se a faxina geral (oosoji 大掃除), para não ter que enfrentar as implicâncias do “Tsukumogami”.

Conta-se uma história de que no entardecer de certo ano, em Kyoto, foram jogados móveis antigos, dentro e fora da cidade de Kyoto. Os móveis abandonados conversaram entre eles: “Por muitos anos nós fomos móveis das casas, e apesar de nos empenhar em servir às famílias, fomos jogados fora, à beira da estrada, para receber pontapés de gado e cavalos! Que raiva! Vamos nos tornar yôkai (demônios folclóricos) e nos vingar!” E, assim, os rancorosos yôkai decidiram ir morar em Nagasaka, na parte de atrás da colina Funaokayama, e, de lá, eles perturbavam às pessoas. Devido a isso, o imperador, que nessa época era um conselheiro-chefe (kanpaku), reuniu os sacerdotes budistas para realizar um ofício religioso, e apareceram lá oito crianças guardiãs que exterminaram os yôkai e se tornaram monges.

Desta forma, o kuyô é para lembrar Buda e a pessoa falecida, trazer flores e oferendas, e orar aos deuses e a Buda. Assim, originalmente, o kuyô é realizado para os falecidos e os antepassados, mas no Japão, desde tempos antigos, tem sido transmitida a prática do kuyô para objetos estimados de uso pessoal.

Dezembro de 2018

Veja também

  • Kintsugi – Kominka

    Em japonês pode ser escrito 金つぎ ou 金継ぎ. Há diversos tipos de objetos de cerâmica, desde aquelas tigelas de chá para uso diário, a chawan mais caros. Kintsugi é o método japonês de restaurar as cerâmicas tradicionais, quando elas se quebram…
  • Utilização de Diversos Materiais Naturais

    Pelas excelentes técnicas dos artesãos, coisas da natureza como gramíneas e árvores renascem em esplêndidos produtos artesanais. No caso do Japão, há os de cascas de árvores, cana comum yoshi (pragmites), junco-solto (igusa) etc…
  • Materiais naturais: igusa, shuro

    Entre vários materiais naturais, apresentaremos o junco-solto (igusa イグサ) usado para tatames em washitsu e a palmeira-moinho-de-vento (shuro シュロ)…
  • Cinzas

    Matéria em pó que remanesce após queimar grama, árvores, animais, etc., amplamente utilizada desde o passado como substância química. Os principais componentes da cinza são minerais metálicos (potássio, magnésio, ferro, zinco, sódio, cobre, cálcio, alumínio) ...
  • Materiais da Natureza – Washi II

    Continuando o tema da vez anterior, apresentaremos o uso do papel japonês (washi)…